Ronda Policial Rio Grande do Sul - 27 de abril de 2016


Um homem foi preso em São Leopoldo na manhã desta terça-feira, quando foi deflagrada a operação Jizô contra a divulgação de pornografia infantil e crimes de ódio pela Polícia Federal (PF). Os agentes cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do homem que, segundo a PF, ocupa um cargo de comissão na Secretaria Estadual de Educação. Ele foi flagrado no exato momento em que transmitia arquivos do seu computador.

“Além de estar armazenando material de pornografia infantil, ele foi flagrado transmitindo-o através de um aplicativo de troca de arquivos de computador para computador”, explicou o delegado Fernando Casarin. A investigação teve início após a PF ter sido alertada, há dois anos, pela organização não-governamental (ONG) National Center for Missing & Exploited Children, que fica nos Estados Unidos, sobre material de pedofilia transmitido pelo investigado.

Em Novo Hamburgo, o material de pornografia infantil, totalizando cerca de 900 arquivos, sendo mais de 820 em fotos e o restante em vídeos, foi enviado por alguém da cidade gaúcha e detectado pela Guarda Civil da Espanha, que comunicou o fato à PF. Tratava-se de uma bancário que não foi encontrado em casa pelos policiais federais.

Em Porto Alegre, um dos casos é de uma adolescente que foi convencida a ficar nua e enviar imagens, por meio de um programa, para um organizador de uma festa, promovida por uma empresa de eventos, em troca de um ingresso. Chantageada e pressionada para enviar mais fotos sem nem ter ganho o convite, a jovem contou tudo para a mãe que acionou a PF. Essa empresa, observou o delegado Fernando Casarin, é vinculada à organização criminosa do traficante Xandi, assassinado no ano passado. O suspeito, um jovem, não foi localizado na ação.

A outra ocorrência na Capital, alvo da PF, foi relativa à postam de material de cunho ofensivo e discriminatório, sobretudo contra nordestinos, homossexuais e mulheres, além de fazer forte apologia ao nazismo, por um comerciário. O blog dele já foi retirado da internet por ordem judicial. A denúncia partiu da Bahia e chegou até PF em Porto Alegre. ‘Ele é simpatizante do nazismo”, resumiu o delegado Fernando Casarin. O nome da operação, Jizô ou Jizou, é uma divindade budista considerada como guardiã das crianças. 

Cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Porto Alegre, Novo Hamburgo e São Leopoldo. A ação foi coordenada pelo delegado Fernando Casarin, responsável pela Delegacia de Defesa Institucional da PF gaúcha. Houve a apreensão de computadores, mídias e outros materiais, em todos os endereços, que serão agora periciados. O trabalho investigativo terá continuidade.

“São fatos graves em nossa avaliação e precisam ser combatidos” resumiu o superintendente regional da PF, delegado Elton Roberto Manzke. Quatro casos, com inquéritos diferentes, referem-se à pedofilia e um trata-se de racismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário